13 Respostas to “Entenda Por Que o Novo PLC122 de Marta é Ruim Para LGBTs”

  1. AÇÂO JAH disse:

    Temos q tomar uma ação contra essa proposta da Marta. O que devemos fazer? O que pode ser feito para mudar isso?

  2. fabiano disse:

    uma lei que por si não defende a vida humana acima de qualque coisa não é lei alguma…joga no lixo isso ai ….lei de enterece dos lgbt sendo redigida por evangelicos…e o mesmo que leis de intersses dos negros sendo redigida pela ku kus klan

  3. Luis Eduardo disse:

    Marta diz que nada passa, e realmente, não passa. Nem esse projeto lixo passa, que dirá o de verdade.
    Porém, este projeto vagabundo, ao menos a “ilustríssima” diz, passa… apertado.

    Penso cá estrategicamente: se fizerem um projeto tão meia boca como esse ser aprovado, após aprovação, terão de revê-lo, e revê-lo, e revê-lo, até ficar no mínimo aceitável e condizente com a realidade brasileira, que é de ser o país mais homofóbico do mundo. E por que não, burocrático, graças às forças reacionárias, que são gritantes, mas burras e anacrônicas?

    Digo do lado de cá, os homossexuais, bissexuais e TTs que sofrem agressões, injúrias cotidianamente dessa “pátira mãe” que só recolhe impostos com uma mão e nos esbofeteia com a outra.

    Por outro lado, radicalizar na hora em que o projeto vai à votação… meus queridos, é como fazer passeata na rua, mas com representantes apertando mãos e trocando elogios nos gabinetes. E infelizmente, se a situação chegou onde está, pode ter certeza que foi justamente isso que aconteceu.

    A conivência de “líderes” de movimentos LGBTs + partidarização de uma causa metapartidária (crime e direitos fundamentais vão além de rixas, pois atingem a TOD@S) demonstraram a nós que não é, definitivamente, uma forma de organização do movimento LGBT. A melhor forma foi colocar parlamentar na câmara realmente LGBT, como foi o caso de Jean Wyllys, sensibilizar e cobrar dos que estão com a causa e que em breve, serão outros muitos.

    E, no mais, cadê que não acionam a OEA, a CIDH e a ONU contra esse governo passivo diante da homofobia? Se uns conseguem na civilidade, como a Argentina, outros conseguirão na luta exterior, como o caso dos LGBTs do Brasil.

Responder