12 Respostas to “Não É Homofobia: Uma História Real”

  1. João disse:

    Depois de ler alguns relatos, bem como o depoimento, não pude deixar de me expressar. Algumas vezes não acredito que as pessoas podem ter uma linha de raciocínio tão porca quanto as que foram apresentadas nos casos (colegas, professores, diretores entre outros) tem. Deixo registrado que não sou homossexual, assim como nunca tive “trejeitos” que me levassem à discriminação homofóbica. Aos olhos “sociais” sempre fui bem masculino, praticante de artes marciais desde novo, dentre várias outras coisas, mas sempre fui educado por uma mãe maravilhosa que me ensinou que ser gay é normal. Sempre com vários amigos gays de minha mãe frequentando a minha casa, nunca os vi com olhos diferentes de nenhuma outra pessoa, inclusive quando se beijavam ou estavam abraçados, de mãos dadas, pra mim era normal. Recentemente abandonei as artes marciais e passei a me dedicar à dança, por influência de minha namorada que dançava a anos. Ouvi comentários nada agradáveis de várias pessoas, inclusive homossexuais -- Sim, o preconceito existe em todas as instâncias, inclusive a homofobia social do homossexual que quer “se encaixar” -.
    Já fui vítima do recém aclamado “Bullying”, por razões como ser 4 olhos, ser gordo, ser filho de professores, preferir volley ao basquete, por não me enturmar demais, por jogar RPG, por tocar percussão, por ser narigudo, por ler uma revista em quadrinhos, etc. Qualquer coisa é motivo para uma discriminação, em qualquer esfera da sociedade. Já sofri preconceitos de sogras por ser “mal-encarado”, por ter piercings e tatuagens, sendo tachado como “drogado” por usar brinco e ter cabelo grande. Já sofri inclusive represálias por seguranças em um Shopping de Belo Horizonte, por abraçar um amigo meu. Me disseram que ali não era lugar de fazer “essas coisas”. Como o autor do texto disse, eles estavam apenas se expressando. Me revolta pensar que existem pais que criam seus filhos com sentimentos homofóbicos ou qualquer-coisa-fóbicos. Me revolta pensar que ainda existam pessoas que agridam alguém por um bel prazer.
    Uma lei como a PLC122 não deveria TER que existir, deveria ser da natureza humana a tolerancia, o respeito, o convívio e o bem estar.

  2. Alex disse:

    Mais casos típicos de bullying dentro das escolas e em outros lugares.
    Hoje em dia essa palavra virou moda na nossa sociedade,mas ainda assim há discriminações em todo o ambiente social. Quem não sofreu bullying na época da escola, só por ser diferente dos demais? (por ser gordo, ser gay ou ter a impressão ou suspeita de ser um, ser tímido ou quieto, e outros motivos por ai que só porque é um pouco diferente dos outros, é motivo o suficiente para ser zuado).
    Já sofri todo tipo de bullying na minha época de escola, pois era um menino muito tímido, e causava um certo incomodo para os demais, porém na minha maneira, tinha a capacidade de fazer amizades, mas ainda assim sofria várias vezes com as agressões dos outros, mas sabia como me defender e revidava tudo aquilo que sofria.
    Eu sei que isso é triste, mas é a questão de saber de se defender, seja por meios verbais e até mesmo por meios físicos (se caso for mesmo agredido e usar isso como ultimo recurso), e nesse ponto sou a favor da legitima defesa.
    Portanto, toda forma de bullying nas escolas acontece não importando a orientação sexual do individuo, e isso pelo jeito vai continuar, penso que é da natureza humana fazer isso, mas se defender também é, porém ressalto que devemos ter esperança na educação, pois ela ainda é o único meio de transformação social e reverter esse quadro para que os nossos filhos não passem pela mesmas coisas que passamos, mas se acontecer, recomendo o direito de defesa.
    Agora quanto a discriminação nas ruas (me refiro TODA A FORMA DE DISCRIMINAÇÃO, como racismo e outras formas de segregação), foi como disse antes, é a EDUCAÇÃO
    pois por mais que exista mazelas nesse setor, ela ainda é o instrumento de transformação social.

  3. tom disse:

    Eu vi muito da minha vida nessa sua historia… Sempre sofri preconceito por ser gay e penso que e injusto ser humilhado dessa maneira. Hoje todo mundo fala nas humilhacoes que criancas e adolescentes sofrem constantemente, mas eles nao se dao conta dos problemas pelos quais passei. Os proprios professores eram crueis comigo e a psicologa dizi para eu falar que nao era gay mas eu era…..

  4. Jorge disse:

    Ao ler essa historia vi muito da minha vida (desculpem a falta de acentos no texto).
    A diferenca eh que no meu caso, eu nao pude fazer ballet pq minha familia dizia achar ridiculo, minha mae detestava quando eu dancava, independente do que fosse, eu nao podia andar de patins pq nao era “bailarina do gelo” e coisas do tipo.

    Na escola, apesar de adorar estudar, eu detestava ir a aula pq todos os dias apanhava. As aulas de educacao fisica que eram fora do horario de aula era uma verdadeira tortura. Eu faltava em quase todas e era reprimido por isso pela professora, que, mesmo ao notar o meu desconforto, silenciava diante dos ataques dos outros alunos ao mesmo tempo que me obrigava a jogar futebol mesmo sem eu ter vontade alguma, apesar de deixar dois outros alunos ficarem no banco…esses dois tbm gays, mas visinhos da mesma.

    Depois que cresci, mudei de escola e no ensino medio as coisas mudaram um pouco, na escola em que estudei, apesar de publica e na periferia, era o ambiente mais tolerante que conheci. Haviam meninas que se beijavam no patio e quando o diretor uma vez as reprimiu, houve um levante dentro da escola, inclusive os alunos evangelicos, os quais todo o mundo acreditava serem os que “discriminavam”, foram participantes do levante.

    Mas a discriminacao real continuou na familia, com os meus pais e irmaos, alguns vizinhos tbm. Mas eu parei de ligar para isso e comecei a viver a minha vida da minha maneira. Como esta no texto “eles estaam apenas fazendo uso do direito de livre expressao”.

    Fui discriminado por policiais civis uma vez no parque ibirapuera, no qual uma policial, ao me ver conversando com um rapaz, disse que era para sairmos do local pq o chefe da viatura parada proximo ao banco nao gostava de gente do nosso tipo, e se quisessemos juntar com gente da nossa laia, deveriamos ir para o autorama que la era o nosso lugar. Nesse dia chamei a policia e, nao sei se foi pelo motivos dos civis e militares nao se tolerarem muito, mas os policiais militares foram de grande prestesa e nos apresentaram inclusive um advogado.

    Enfim, vivemos em uma sociedade em que as pessoas te xingam, te agridem fisica e psicologicamente, te exclui, te torna um cidadao de segunda classe….mas tudo isso fazem sem culpa, estao apenas usando a liberdade de expressao.

  5. Rita Candeu disse:

    Ótimo texto….

  6. Johnny Dias disse:

    Marcelo Gerald me agradeceu por compartilhar com vocês a história do Ruleandson, mas saiba que ao ler foi a primeira coisa em que pensei: ” A história dele não poderia ficar no anonimato”, porque também ela é um pouco a minha, e quem sabe a sua , história.
    As palavras soaram como trovões em meus pensamentos e conceitos, meu corpo conceitual fora ficando pequeno frente a apresentação de dor que as palavras de Rule tomava.
    Fiquei pensando no de dentro do de dentro dele, aquele estágio ou espaço tão íntimo que não podemos revelar ou nomear, seja por falta de palavras ou por elas pouco acessarem ao real sentido.
    Rule não é apenas herói, ele é um Nietzsche pós-moderno, ele que se embalsama em Baumann, ao criar seus próprios conceitos, ele nos ofereceu o sangue de uma placenta, que hoje gerou o futuro, e este futuro, muito significativo, só acontecerá se os leitores, conscientes da leitura e de sua urgência, se postarem de maneira clara, ao seu modo, mas nunca optando pelo silêncio, pois este só é devido quando o mais importante já fora dito.

  7. Leandro Oliveira disse:

    Tão simples e tão triste é realmente lamentável como os seres humanos tratam uns aos outros. Mas acredito que não se oprimindo, se expressando, mostrando quem você verdadeiramente é que conquistaremos espaço e poderemos viver livremente as nossas vidas. Ruleandson do Carmo você é um heróis da vida real. Parabéns.

Responder