7 Respostas to “Nova audiência pública sobre o PLC 122”

  1. Bruno Cavalcante disse:

    Aos Políticos do Meu País…

    Aos Políticos do Meu País…

    Primeiramente, gostaria de lembrá-los que vivemos em um país “laico” e onde “teoricamente”, todos deveriam ser “iguais” perante a “lei”1. Infelizmente, devido a uma bancada compostas por “evangélicos” (Lembrando: O Brasil é, até onde me consta, um estado laico) estão violando os direitos de uma parcela, digamos, significativa de cidadãos brasileiros que assim como qualquer outro cidadão, pagam seus impostos (nem mais, nem menos), cumprem com seus deveres e obrigações cíveis, que votam em seus representantes, mas que porém, segundo a bancada supra citada não deve ter concedido direitos mínimos como a união estável e a proteção contra crimes infundados (afinal, no que a minha ou a sua sexualidade vai interferir na vida de uma terceira pessoa?).
    Esses mesmos “evangélicos” que alardeiam que os homossexuais querem destruir a família, dizendo-se basear pelos preceitos “bíblicos” e da Carta Magna Brasileira, não entendem que por exemplo o Adultério, condenado biblicamente e, porque não dizer, socialmente, tem o seu amparo legal na lei do concubinato (Lei n. 9278/96)… Por que a igreja não levantou a sua bandeira contra tal lei por agredir a família brasileira que eles querem tanto proteger? Quer dizer que o adultério tudo bem pois é um homem e uma mulher cometendo uma atrocidade aos olhos de Deus, porém dois homens ou duas mulheres não podem se amar perante Deus? Quem vai prestar contas sobre a sua sexualidade no dia do juízo: os evangélicos santos e perfeitos prestaram contas pelos homossexuais ou cada um dará conta dos seus próprios pecados?
    A Bíblia também nos fala (em diversos versículos) que a mulher deve ser submissa e se manter calada diante de seu marido, porém hoje em dia as mulheres tem o seu espaço e a sua liberdade garantida. Isso não fez com que a família fosse destruída, não, ao contrário tornou os lares, instituições, empresas, etc., locais mais equilibrados e onde a harmonia impera. E acreditem, que mesmo com os direitos por elas adquiridos, ainda existem algumas denominações evangélicas que exortam as mulheres a manterem-se em silêncio e submissas aos caprichos do seu marido. E me respondam, eles são presos por isso? Não! E por que será que eles pensam que serão presos se falarem mal de um homossexual?
    Eu poderia passar horas e horas, aqui citando a Bíblia e outros livros sagrados, porém como falei no início, vivemos, ou melhor, deveríamos viver em um estado laico, onde a minha fé seria algo que diria respeito a mim e não ao Estado. Ao Estado caberia cuidar para que a minha fé fosse respeitada. Qual será a próxima investida dos “evangélicos”? Transformar o país num pais obrigatoriamente cristão? E a opinião dos seguidores das religiões “Afro”? E os muçulmanos que aqui vivem? E os budistas? Eles não são ouvidos pelo Estado? Nunca ouvi falar de uma bancada formada por membros dessas religiões, mas será que por não serem maioria devemos privá-los dos direitos também? Infelizmente o país está entrando num caminho muito perigoso, ao misturar direitos e religião… Sou homossexual, servidor público federal, tenho uma família muito linda, sou amado e respeitado por todos que me conhecem, e infelizmente o que tenho ouvido de amigos meus é que a solução é sairmos daqui, pois enquanto o mundo caminha no sentido de acolher a todos nos seus direitos e deveres, o Brasil está indo na contramão. As vezes me pego imaginando se será possível que um dia terá que haver uma luta armada, assim como aconteceu na Irlanda entre católicos e protestantes, uma guerra que começou, por ironia do destino porque os católicos exigiam mais direitos civis (lembrem-se que a Irlanda foi conquistada pela Inglaterra, onde os protestantes são maioria). Quando será que os políticos lembrarão que no nosso país, existem pessoas de diversas culturas, de diversos credos, de diversas cores, de diversas opções sexuais, etc.? E que mesmo não gostando, ou mesmo não aprovando, todos devem ser amparados e igualados perante a lei? Adoraria saber se o nosso fim será o mesmo que o da Irlanda com uma guerra civil que dura mais de quatro décadas, e não aparenta ter fim tão cedo. Espero outro futuro para o meu país e torço para que a maioria das casas legisladoras do nosso país tenham a mesma consciência. E para terminar gostaria de deixar uma frase que me toca muito, e creio que quem ama esse país como eu também deve ser tocado por essa frase, que conclui nosso hino nacional, porém com um grifo meu: “Dos filhos deste solo. És mãe gentil(?), Pátria amada, Brasil.”

  2. Elcio Lopes disse:

    Pessoal, precisamos bolar mecanismos para mostrar que também temos expressão. Entregar um documento com um milhão de assinaturas contra o pl 122, como fizeram os evangélicos ontem, para eles é ficha, eles conseguem muito mais que isso. Se fosse um plebiscito, perderíamos fácil. Detesto politicagem, mas o único meio de ganhar esta pequena batalha é por meio da pressão política, ou da insurreição. Ganhar as ruas e axigir a aprovação imediata do pl 122 por meio de e-mails aos senadores, correntes, abaixo-assinados e outros que a criatividade permitir. Não temos a mídia a nosso favor. A Globo e o SBT estão do lado da maioria, como sempre. Os demais são propriedades de evangélicos. A cultura é estatal, temos aí uma oportunidade; alguém conhee produtores, comunicadores, profissionais que possam debater o tema nessa emissora? Temos também que fazer nossa própria mídia. Os pequenos jornais, os jornais de escola, os sindicais, os do metrô, os de bairro, todos devem veicular notícias e se indignar com os acontecimentos recentes. Os amigos devem se COMUNICAR. Espalhem sua ingignação DIARIAMENTE no Twitter, no Facebook, nos Nicks do MSN. As pessoas devem conversar a respeito, expor suas idéias com todos quanto possível. A propaganda é a alma do negócio. Os evangélicos conversam entre si sobre tais questões; devemos assumir postura semelhante ou mais intensa. Elaborar e colar cartazes nos bairros, nas escolas, enfim, por onde passar. Todos temos de voltar nossa concentração, força e esforços para o Senado e para a presidente Dilma. Exigir isonomia destes. Lembrá-los de que parecemos poucos, mas não somos, e de que temos relevância e poder político e econômico para conquistar nossa igualdade. O que nos mata é a omissão. Fazer circular o maior número de conteúdo pró-PL 122 é uma das únicas armas que temos. E usar o cérebro e a crítica ajuizada, sempre. Não se esqueçam de que este é um país de analfabetos políticos (inclusive gays), e esta é, infelizmente, uma luta política. A omissão de um de nós pode significar a perda de anos de luta de muitos outros. Se este Projeto de lei não for aprovado ainda nesta legislatura, ou seja este anos, ele será arquivado definitivamente. Pessoal, odeio ser estraga prazeres, mas acabou a brincadeira do armário. Ou vocês levantam esssa bandeira coloriada e lutam, ou o futuro de todos e cada um de nós, assumidos ou não, também terá a cor e o peso do chumbo.

  3. Elcio Lopes disse:

    Gostaria de pedir que alguém fizesse uma cirurgia cerebral no pastor que escreveu esses absurdos afim de que a sua inteligência volte a funcionar corretamente.
    Ora, tais problemas só existem na cabeça de pessoas que pretendem continuar agindo de forma homofóbica e que tem medo de serem obrigados a dobrar a língua antes de falar mal dos homossexuais.
    Vejam o que é a Ku Klux Kan nos Estados Unidos: uma seita perseguida da mesma forma que fazem com os que perseguem. É disso que o senhor pastor tem medo de que sua igraja vire. Pois bem, alguém tem que dizer a verdade: não se pode mais passar a mão na cebeça de fundamentalistas religiosos por tempo indeterminado. É o que deveria sim ocorrer com a sua igreja senhor pastor. Pessoas que usam de ARTIFÍCIOS religiosos para alimentar o preconceito devem parar atrás das grades sim. Durante milênios pensava-se que o Sol girava em torno da Terra, e quem dissesse o contrário era punido. Pois bem, hoje quebramos este tabu e pensamos ser a Terra a girar em torno do Sol; até que nos desmintam novamente. Nenhum pensamneto milenar deve continuar perpetuando-se apenas por ser velho. Isso se chama ignorância. As condutas e regras da sociedade devem refletir suas necessidades atuais. Se bato numa mulher porque penso que ela é inferior, pelo motivo de que todas as civilizações que vieram antes de mim pensavam desta forma, então eu sou um biltre ignorante incapaz de elaborar qualquer ínfima crítica, muito menos legislar sobre um país ou sobre a condição de uma classe social, seja ela maioria (como os trabalhadores, ou os cristão) ou minoria. Se o senhor considera ser homossexual uma atitude a ser combatida pois uma civilização do Oriente Próximo assim pensava cerca de 5 mil anos atrás, então eu sou menos biltre que o senhor.
    E se a verdade é difícil de ser ouvida (e no teu caso duvido que a luz da sua compreensão atingir-te-á), então a Bíblia é sim um livro homofóbico. Aliás, não só homofóbico, mas machista e sexista. Desista senhor partor, compreendê-la (tal verdade) está além das suas parvas capacidades, pois o senhor, tal qual Kant observou, é um ser egoísta, desprovido do altruísmo e da iluminação própria daqueles que se condoem da desgraça alheia. Afinal, nunca vi um pastor virar mártir. Analiso que se o caso fosse, não seria pastor.

  4. Eleições Hoje disse:

    Parágrafo repetido foi apagado, obrigado pela correção Murilo ;)

  5. Revisem aí o texto que repetiram dois parágrafos dele. rs
    Eu postei um comentário falando sobre isso lá no Eleições Hoje e vou comentar aqui também: A Federação Nacional dos Jornalistas se posicionou contrária a posição adota pela Record e sugeriu indiretamente que as matérias consideradas homofobicas fossem denunciadas ao seu conselho. Vejam: @FENAJoficial Denúncias contra reportagens preconceituosas e desvio de conduta ética podem ser encaminhadas a nossa Comissão de Ética http://www.fenaj.org.br/cometica.php #HomofobiaNão #EticaNoJornalismo

    Vocês podem fazer a denúncia sobre o comportamento da Tv Record lá para a comissão, seria interessante. Assim, eles disseram indiretamente que são contra as matérias vinculadas pela Record com relação ao kit de combate a homofobia ,não citou o nome da Tv, não sei se dá para fazer uma matéria sobre isso. No entanto, vocês podiam entrar em contato com a presidente da federação e tirar um posicionamento mais claro e direto deles sobre as matérias e postar uma matéria aqui no site. Seria muito legal e importante para nós o apoio deles. Se não me engano é a instituição de maior representatividade dos jornalistas.
    Forte abraço e vamos a luta!

  6. PLC122sim disse:

    Caro Pastor Mauro Oliveira,

    Não vamos inferir seu comentário tenha sido feito por má-fé. Contudo, infelizmente gostaríamos de visar que quem caiu em uma armadilha foi o senhor.
    O texto do seu manifesto está superado. Ele já foi alterado no Senado Federal e este é o que está sendo atualmente discutido
    http://www.plc122.com.br/plc122-06/
    (a fonte é o Senado Federal)

    Convidamos-te para visitar nosso site, que desmistifica todo o conteúdo deste seu manifesto, pois imaginamos que o senhor não tenha feito isto. E convidamos-te também para um debate em torno do projeto, pois os objetivo principal dos cidadãos que visam uma democracia plena não é cair em teorias conspiratórias, e sim a promoção da cidadania para todos.

    Att,
    #plc122sim

  7. Mauro Oliveira disse:

    Meus amigos e irmãos,

    O Brasil está passando por um período turbulento e está para ficar pior, se não fizermos nada.

    Estão querendo amordaçar a sua boca, o seu direito de se expressar, sob a capa dos direitos humanos. Senão vejamos:

    Muitos dos direitos requeridos na PL 122/2006 já estão garantidos pela constituição federal, código penal, código civil e outras leis.
    O direito a vida, a liberdade de expressão e de manifestação já são garantidos. O direito a integridade física já nos é garantido, então por que criar mais uma lei, que ao invés de garantir o que se propõe, vai restringir o direito dos demais cidadãos.

    A prática da homossexualidade é uma opção, que deve ser respeitada, mas não deve ser super valorizada, sob pena de termos que criar outras leis para a proteção de todo mundo, novamente, redundantemente. Para que isto? Somente para poder mandar prender os outros que não concordam com seus pensamentos? Por favor, temos tantas outras coisas pelas quais lutarmos. Não podemos ser irracionais para lutarmos por criação (invenção) de instrumentos legais que nos garatam direitos que na verdade já nos são garantidos. Ou será que o objetivo da PL 122 seja tão somente a retirada dos direitos dos demais cidadãos. Analisemos isto com bastante cuidado.

    O direito de um termina quando começa o de outro, no entanto esta lei quer acabar com o direito de outro e exterder “a força” o de uns. CUIDADO. ESTA LEI MAIS PARECE UMA ARMADILHA. o início da DITADURA HOMOSSEXUAL.

    Veja o que diz o site: http://www.infojuris.com, sobre a PL 122/2006.

    O projeto de Lei da Deputada Iara Bernardes do PT, já aprovado na Câmara e agora tramimitando no Senado, cahamada “lei da mordaça”, prevê alterações na Lei 7716/89 (Lei do Preconceito), no Código Penal e na CLT é inconstitucional? Observa-se numa análise mais aprofunda do projeto que este coloca os líderes religiosos, católicos, evangélicos, espiritas, mulçumanos, judeus e outros, cujos estatutos religiosos como a Bíblia, o Alcorão e a Torá que terminantemente não aceitam o relacionamento sexual que não seja entre um gomem e uma mulher, estão com um “pé na cadeia” caso em suas liturgias sequer leiam um texto registrado nos seus livros sagrados milenares, de cuja fé é a sua estrutura e por acaso esteja entre os seus ouvintes algum adepto GLS. Da mesma forma não poderá nos seus locais de culto impedir que as mesmas pessoas troquem carícias e até se beijem, como muitas vezes ocorrem nos templos religiosos. A CRFB garante a livre manifestação do pensamento (Art 5º IV); a inviolabilidade de consciência e de crença sendo assegurado o livre exeecicio de cultos religiosos (VI); além de outros dispositivos legais. Observa-se também que a lei poderá interferir no livre direito de associação e até no livre direito das entidades confeccionarem seus estatutos. Teme-se que esta lei que concede prerrogativas que não são concedidas a grupós como indios, negros, idosos, deficientes crie uma verdadeira “casta” de GLS, de forma que o objetivo da lei tenha o efeito inverso ao pretendido, face ao terror que levará à sociedade, onde até um pai não poderá orientar o seu filho e tem mais, até um pedófilo poderá alegar em sua defesa que a orientação sexual dele é gostar de satisfazer suas lascívias com criancinhas que poderá ser o seu filho, o seu sobrinho, a sua netinha, ou da sua vizinha ou da sua empregada. Está no projeto de lei: “o caput do art. 1º da Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1999, passa a vigorar com a seguinte redação:
    “Art. 1º Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, gênero, sexo, ORIENTAÇÃO SEXUAL e identidade de gênero”.

    Vejamos, mais especificamente como na prática esta lei nos afetará:

    Artigo 1º: Serão punidos na forma desta lei os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual, identidade de gêneros.

    Comentário: Eles tentam se escorar na questão de raça e religião para se beneficiar. O perigo do artigo 1º é a livre orientação sexual. Esta é a primeira porta para a pedofilia. É bom ressaltar que o homossexualismo é comportamental, ninguém nasce homossexual; este é um comportamento como tantos outros do ser humano.

    Artigo 4º: Praticar o empregador, ou seu preposto, atos de dispensa direta ou indireta. Pena: reclusão de 2 a 5 anos.

    Comentário: Não serão os pais que vão determinar a educação dos filhos — porque se os pais descobrirem que a babá dos seus filhos é homossexual, e eles não quiserem que seus filhos sejam orientados por um homossexual, poderão ir para a cadeia.

    Artigo 8º-A: Impedir ou restringir a expressão e a manifestação de afetividade em locais públicos ou privados abertos ao público, em virtude das características previstas no artigo 1º desta lei. Pena: reclusão de dois a cinco anos.

    Comentário: Isto significa dizer que se um pastor, ou padre, ou diretor de escola — que por questões de princípios — não queira que no pátio da igreja, ou escola haja manifestações de afetividade, irão para a cadeia.

    Artigo 8º-B: Proibir a livre expressão e manifestação de afetividade do cidadão homossexual, bissexual ou transgênero, sendo estas expressões e manifestações permitidas aos demais cidadãos ou cidadãs. Pena: reclusão de dois a cinco anos.

    Comentário: O princípio do comentário é o mesmo que o do anterior, com um agravante: a preferência agora é dos homossexuais; nós, míseros heterossexuais, podemos também ter direito à livre expressão, depois que é garantida aos homossexuais. O parágrafo do artigo que vamos comentar a seguir “constituiu efeito de condenação”.

    Artigo 16º, parágrafo 5ª: O disposto neste artigo envolve a prática de qualquer tipo de ação violenta, constrangedora, intimidatória ou vexatória, de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica.

    Comentário: Aqui está o ápice do absurdo: o que é ação constrangedora, intimidatória, de ordem moral, ética, filosófica e psicológica? Com este parágrafo a Bíblia vira um livro homofóbico, pois qualquer homossexual poderá reivindicar que se sente constrangido, intimidado pelos capítulos da Bíblia que condenam a prática homossexual. É a ditadura da minoria querendo colocar a mordaça na maioria. O Brasil é formado por 90% de cristãos. Não queremos impedir ou cercear ninguém que tenha a prática homossexual, mas não pode haver lei que impeça a liberdade de expressão e religiosa que são garantidas no Artigo 5º da Constituição brasileira. Para qualquer violência que se cometa contra o homossexual está prevista, em lei, reparação a ele; bem como assim está para os heterossexuais. A PL-122 não tem nada a ver com a defesa do homossexual, mas, sim, quer criminalizar os contrários à prática homossexual — e fazem isso escorados na questão do racismo e da religião.

    Estou enviando em anexo, cópia da PL 122/2006. Leia com cuidado e tire suas próprias conclusões.

    Mas não fique parado, entre no site: http://www.senado.gov.br e envie um e-mail para os senadores, mas especificamente os senadores do seu estado e principalmente aos senadores que participam da Comissão dos Direitos Humanos do Senado Federal.

    Se preferires, ligue para o telefone: 0800612211, identifique-se e diga que és contra a aprovação da PL 122/2006, por ferir a Constituição Federal e seus direitos de liberdade de expressão, ou use as palavras que você quiser. É TEMPO DE AGIR, antes que seja tarde demais.

    Envie este e-mail para seus amigos e conhecidos e vamos fazer uma corrente contra este ato de restrição de nossos direitos de liberdade de expressão e religião.

    Pastor Mauro Oliveira

Responder